quarta-feira, 2 de junho de 2010

Raio-X de Brasil e Zimbábue


Começou!!! A nossa “amada” Seleção deu o pontapé inicial para a busca da tão sonhada sexta estrela no uniforme canarinho. O primeiro episódio desta epopéia teve seu inicio na manhã desta quarta-feira (02/06/2010) contra a “fortíssima” seleção do Zimbábue. Antes de começarmos a execrar o anão Dunga (sempre zangado) queria lhes lembrar que varias seleções recusam jogar contra o Brasil em ano de copa, pois não querem ter sua moral abalada pela seleção pentacampeã (acho que eles ainda não viram que Dunga que está no comando).


Agora sim, comecemos a falar mal dele; Se nós sabemos que toda seleção africana joga duro (no popular, descendo o sarrafo), porque marcar um amistoso contra o Zimbábue? Resultado disso foi o nosso goleiro Julio César, que, como bom Flamenguista, pipocou e pediu pra sair ao receber uma entrada do jogador mais famoso do Zimbábue (ao qual eu não lembro o nome).


Outra indagação; se é pra reclamar do campo ao final da partida, por que diabos se fazer um amistoso em um país que não tem tradição no futebol? O campo do Zimbábue parecia à savana, a única diferença estava nos buracos, pois se a savana tivesse tanto buraco os leões iriam torcer o tornozelo. Marcar um jogo com uma seleção fraca, mas com um pouco mais de tradição iria valer muito a pena, mesmo que nós tivéssemos o trabalho de atravessar o continente.


O jogo em si foi bem chatinho. O primeiro tempo brasileiro começou aos 40 minutos, quando Michel Bastos acertou um foguete que nem uma manada de goleiros agarraria. Antes disso só se via passes errados e a cara de Robinho demonstrando a saudade de Ganso, Neymar e Arouca, pois um Kaka bichado, um Luis Fabiano dormindo e um Gilberto Silva vivo não ajudam em nada a criatividade do nem tão menino da vila. Esta saudade só começou a passar quando o mesmo recebeu um passe primoroso de Maycon (pasmem, de Maykon!) e ampliou o placar, ainda no fim do primeiro tempo.


O segundo tempo foi bem melhor, mas só no seu comecinho, pois Zimbábue já tinha jogado a toalha e ficou assistindo a seleção brasileira jogar até se sentir satisfeita. Nessa só vimos o gol mais bonito da partida, Daniel Alves (que infelizmente será reserva) fez boa tabela com Julio Batista (este que vai calando a minha boca parcialmente) e encontrou Elano livre para marcar.


Um jogo morno e sem muita emoção, foi o que assistimos em Brasil e Zimbábue, mas poderíamos esperar algo a mais? O maior jogador de Zimbábue (que eu ainda não lembro o nome) tem menos gente na sua comunidade do orkut do que a Anamara (se é que ele tem comunidade no orkut), o país é tão pobre que até o presidente está inscrito em projetos sociais (eu perco o leitor, mas não perco a piada) e Dunga é tão querido por mim quanto o Vettel é pelo Webber.


Saldo positivo deste amistoso: Um post com a única serventia de declarar meu extremo desagrado com isso que apelidamos de seleção brasileira

Saldo negativo deste amistoso: Eu perdi o episodio de Dragon Ball Z, e logo quando o Yadirobi ia cortar a calda de Vegeta.


Então começamos! A cobertura do Lost Machine da Copa do Mundo também deu seu pontapé incial. Fiquem ligados.