segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Rock In Rio, EU VOU... te explicar


Ooooh, oooooh, ooooh ROCK IN RIOOOO!!!! Finalmente temos mais uma edição do Rock In Rio em terras brasileiras. E, empunhando a espada e o olho de tandera, irei tentar explicar aos chatos de plantão que ROCK IN RIO é um nome de um festival de música e não de um festival de ROCK. Obs: qualquer comentário do tipo: “então troca de nome” será excluído pelo bloqueio autómatico à acefálos.

Estou radiante com o desenvolvimento do Festival e com a qualidade demonstrada pelas atrações. Não sou do tipo que fico agradecido pelo convite a bandas como Korzus, Mutantes,  Jupiter Maçã e Matanza, pois esses devem ter sempre cadeira cativa em eventos desta magnetude, a organização não fez nada mais do que a obrigação deles, porém, estou aqui para explicar que o Rock In Rio IV não passa nem perto de ser “um festival vendido” como muito afirmam. Vamos aos fatos:

O Rock In Rio sempre trouxe grandes bandas de rock para compor o festival – isso é maravilhoso – e ostenta o nome do Rio, pois este foi o primeiro cenário do Festival. Então, é fácil entender o  motivo do nome. A primeira edição contou com bandas como AC/DC, Iron Maiden, Queen, Ultraje a Rigor... É rock ou não é?! Porém, a participação de Pepeu Gomes – muito elogiada, por sinal – no palco principal já dava o tom que o festival queria ter; Um festival de música universal, que tivesse como centro o rock.

E assim conseguiu, a primeira edição teve 80% do seu palco principal formada por bandas de Rock. A segunda edição contou com 79% e a terceira com 73%. As duas apresentaram bandas do calibre de Guns N Roses, Oasis, REM, Foo Figthers... mas sempre se viu representantes fortes de outros estilos como o Carlinhos Brown, Sandy & Junior, Britney Spears...

Vamos agora debater com os corneteiros de plantão: O Festival de Verão de Salvador é críticado pelos apreciadores da boa música por ser um carnaval antecipado, pois sua grade é formada por mais de 50% de atrações de axé. Eu pergunto: Como o Festival de Verão e o Rock In Rio podem ser críticados pelo mesmo motivo se ambos tem sua grade estruturada de forma completamente diferente? Será que vale mesmo o rótulo de Carnaval In Rio?

“Então muda o nome!” mudar o nome para quê, se boa parte do Rock In Rio é puro rock. Outra coisa, Rock In Rio é uma marca, na novela “Malhação” existe pessoas se exercitando? O “Redação SporTV” é um programa sobre técnicas textuais? Se você ainda insiste que o nome deve ser mudado, então reclame mais do fato de existir um Rock In Rio em outros países.

Já que você está com vergonha do seu pensamento errôneo é a hora de fechar a matraca e ficar feliz da realização de um festival desse porte ter o Brasil como Background. Mas, se você insiste nesse pensamento imbecil vá até o espelho e reflita: se seu nome for Albert, Marina, Thom ou Fernanda peça para trocar, pois você tem o nome de uma pessoa inteligente e, pelo jeito, não combina.

2 comentários:

Anônimo disse...

Só quero dizer uma coisa:
Eu FUI!
@luancobain

Bárbara Nascimento disse...

Entendi direitinho e nem em sonho vou pedir p/ trocar o nome do festival, afinal tenho que honrar o meu nome (que é de pessoa inteligente) hehehehe.