domingo, 28 de junho de 2009

O Adeus ao King Of Pop


Obs: Desculpem o tamanho do texto, mas é um desabafo, espero que gostem. I Love You Michael, Sleep In Your Child's Dream.

Existem pessoas que vivem em um mundo tão irreal que acabam virando uma lenda, criam seu próprio conto de fadas e tenta dividi-lo com o mundo dos mortais, mas nem sempre o nosso mundo está disposto a aceita-lo e, então, o que parecia uma fábula se torna uma história de terror, suspense ou qualquer outro drama infeliz. Michael Jackson é uma lenda, isso é inegável, o que podemos avaliar é quanto isso fez ele se tornar algo tão diferente de sua infância. A trajetória do rei do pop é alvo de bastante análise, todos os seus movimentos na época de Jackson Five e toda sua influência ao mundo pop servem como reflexão para as atitudes posteriores de Michael. Como diz Ronaldo Fenômeno “sempre existe um babaca falando m#$%*”, então irei dividir minha análise sobre a morte e vida deste superstar com todos vocês, vamos lá:

Infância & Jackson Five


Michael Jackson iniciou suas atividades musicais com apenas cinco anos. Ele e seus irmãos eram obrigados a ensaiar rigorosamente pelo seu pai, Joe Jackson, um fanático visionário que obrigou os seus filhos a viverem o seu sonho de ser um grande músico, fazendo com que os mesmos não tivessem uma infância normal, pois ainda crianças já efetuavam e compunham arranjos como músicos profissionais. Aos onze anos Michael já era o frontman dos Jackson Five e aos treze já gravava alguns álbuns solo.
Chegamos à seguinte conclusão, Michael foi uma criança madura, o que lhe fez ser um adulto infantil, obcecado por brinquedos, zoológicos e parque de diversões mesmo depois de adulto. A compra do parque Neverland deixa isso claro, como ele não podia freqüentar estes lugares como um simples mortal ele os comprava. A ausência de infância também explica as acusações de pedofilia, toda criança normal dorme na casa dos amiguinhos e etc... Michael pulou esta fase da vida, substituída por estúdios e shows e não teve a chance de ter uma relação direta com outras crianças, por isso dormia com crianças (fato que ele assumiu), mas foi tão inocente quanto uma ao não imaginar que os responsáveis dessas crianças iriam querer se aproveitar desta situação.

Cor da Pele & Plásticas


“Eu tenho uma doença que destrói o pigmento da minha pele, é algo que eu não posso evitar, ok? quando as pessoas dizem q eu não quero ser o q eu sou me machuca” Como todos nós sabemos, Michael sofria de Vitiligo em um grau fortíssimo, e o processo de “cura” do Vitiligo não é baseado na regeneração da pigmentação, e sim na despigmentação total, ele nunca quis ser branco, assim como nunca quis ser doente, porém as duas coisas aconteceram e ele foi obrigado a tomar as precauções necessárias para que a doença não interferisse na sua carreira, já que como pessoa pública (e muito pública) ele não poderia aparecer doente na frente do mundo inteiro. Michael sofreu um acidente, enquanto gravava um comercial da Pepsi, que lhe resultou em queimaduras de segundo grau. Após este acidente Michael passou a se sentir incomodado com sua aparência e esse incomodo resultou em uma série de plásticas que o deixou com uma aparência cadavérica e irreconhecível com o belo jovem que liderava o cinco Jacksons.

Vida & Morte


O rei do pop sempre foi um artista de incrível técnica e habilidades surpreendentes (os passos do clipe de Smooth Criminal servem como ótimo exemplo), suas músicas chegaram aos primeiros lugares desde a época de Jackson Five e todos os fãs e a mídia esperavam sempre algo a mais de Michael Jackson.
Trhiller, seu álbum mais bem sucedido, vendeu mais de 106 milhões de cópias no mundo todo, quebrando qualquer recorde existente até o momento e se sagrando o álbum mais vendido do mundo. Com Bad, sucessor de Trhiller, Michael conseguiu colocar cinco canções no topo das paradas de sucesso, a primeira vez que um artista conseguia atingir este feito. Na era Dangerous, o rei do pop conseguiu fazer com que cerca de 500 milhões de espectadores assistissem ao mesmo tempo a estréia do clipe de Black Or White. O disco Invincible não foi bem aceito pela crítica e sofreu com o boicote da gravadora SonyBMG e com o vazamento da música You Rock My World, que acabou sendo o single do disco, contra a vontade de Michael. Com tantos problemas o disco conseguiu vender cerca de 10 milhões de cópias e ficou 9 semanas nas paradas de sucesso, algo muito ínfimo para um artista do calibre de Michael Jackson, que respondeu de forma negativa aos problemas de Invicible.
Ainda é incerta a causa da morte do rei do pop, mas podemos imaginar que qualquer tipo de excesso tenha sido a principal causa. O fato de ter sido vanguardista e genial por vários momentos de sua carreira fez com que Michael não tivesse o direito de errar, todos esperavam que ele fosse no mínimo perfeito, isso pode ter o levado ao vicio em medicamentos, que, com certeza, se atenuou com os ensaios freqüentes e a grande expectativa desta nova turnê.

Fica o sentimento de todos os amantes da música, pois o rei do pop estava próximo a recuperar sua dignidade perante a “mass mídia” mundial, que o achincalhava periodicamente e agora chora sua morte como se não tivesse alguma parcela de culpa nela. Agora só nos resta rezar pelo menino que insistia em gritar que era “bad”, mas não passava de uma criança que não queria ficar sozinho, You are not alone Michael.

3 comentários:

User disse...

Aew Shon Ficou foda a materia,ta de parabens Velho

Abraços

Robertynho Leone disse...

Very good!
Realmente, Jackson é um Mito. E os mitos me parecem que não irão morrer nunca. É uma viagem isso, mas até agora não acredito que Michael Jackson morreu. Mas enfim, mais um astro!
Gostei do texto, só não curtir a referêcia ao Ronaldo "o fenômeno", acho ele bom de bola e vazio de conteúdo intelectual, contrastou com a referência ao grande Michael, sei que o texto não tem nada a ver com ele. mas a presença do nome dele no texto não me agradou, mas tá valendo.

Cris disse...

Excelente texto, parabéns.