domingo, 23 de agosto de 2009

Enquanto isso no Senado...

Está certo que a Lost Machine só tratou até agora de meios diferentes de entretenimentos, mas venhamos e convenhamos, a política nacional é séria? Se tudo é uma grande palhaçada, então assistimos a um espetáculo bizarro e pagamos caro pelo ingresso. O conturbado clima do Senado é alvo de tantas piadas que já virou um entretenimento as avessas. Quem aqui não riu com a cara de mal do príncipe Collor e seu cavalo branco? (que foi embora junto com a memória brasileira), e o Sarney com cara de “não tenho culpa” observando a discussão de primeira série entre Tasso Jereisati e Renan Calheiros? O triste é saber que estas risadas valem caro. A nossa Máquina Perdida tentará achar o “começo, fim e meio” desta infinita confusão.

O começo e o fim são bem simples, a falta de vergonha na cara. Felizmente não poderei fazer uma generalização de todos os políticos, pois alguns deles estão demonstrando total vergonha com o arquivamento de onze ações contra o presidente Sarney. Flavio Arns e Marina Silva são os primeiros a pular do barco, o primeiro, no entanto, ainda não oficializou sua saída do partido, mas vem fazendo declarações que reprovam o “sol tapado com a peneira” que vem sendo parte de todas as atitudes petistas. A senadora e ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, vai mais longe, deve se candidatar a presidente pelo partido verde (PV) e, felizmente, já conta com a aceitação da população feminina do país, já que Dilma Roussef está se queimando antes de começar as eleições e Heloisa Helena não troca de roupa. O que falta à ex-petista Marina é um bom marketing pessoal, mas se conseguiram com um barbudo, com aspecto sujo e barriga de cachaça, então ela é café pequeno. Andando na contramão dos dois petistas, o senador Aloísio Mercadante fez que foi, não foi e acabou voltando (ou “fondo”, se assim se permitir), denominando a sua permanência no PT como “a hora do sacrifício”. A coisa realmente está feia.

O meio é o mais degradante, é tão sujo que só de pensar me deu vontade de tomar banho (bela piada ¬¬). É formada por uma total falta de importância dos políticos com seu trabalho (se assim pode ser chamado), utilizando viagens de trabalho para família, aumentando o próprio salário a troco de nada e discutindo feito crianças, para ver quem tem a maior parte do pé na lama. Renan Calheiros acusou Tasso Jereissati de ter utilizado dinheiro público para comprar jatinhos e foi rebatido com a acusação de ter roubado os próprios empreiteiros, engraçado que nenhum dos dois negou nada, só ficaram a se acusar. Ainda na discussão Tasso argumenta de forma muito madura, utilizando uma sucessão de “é meu, é meu, é meu” (eu lembro de ter discutido com um coleguinha assim na alfabetização), enquanto Renan esbanja seu linguajar fino chamando seu oponente de “coronel de merda”, mas o respeito e a classe em hora nenhuma são deixados de lado, já que todas as ofensas são sempre antecedidas de Vossa Excelência e prosseguidas de um belo abotoar de terno.

O ex-presidente e FDP Fernando Collor foi ainda mais maduro, recheando sua discussão com Pedro Simon (que confessou ter estado com medo de ser morto por Collor, assim como o pai do mesmo fez na década de 60) com frases do tipo: “evite pronunciar o meu nome” e “falarei quando eu quiser”, além de seu olhar transtornado que mais parecia Vegetta se transformando em super sayajin e voando atrás do Goku.

Não é de se espantar que o povo brasileiro tenha total descrença com a política, mas a irresponsabilidade na hora do voto também resulta nesse “circo de horrores”. Candidatos como Túlio Maravilha, Frank Aguiar e (eu me envergonho demais disso) a transsexual Leo Kret (que nem concluiu o ensino médio) se elegem por sua popularidade, que nada tem haver com alguma competência política, mas o povo só vota neles por não ter educação suficiente para entender o que realmente é um político. Logo chegamos à seguinte conclusão: Má política gera má política.

Enquanto Sarney abrir a boca para dizer que não se sente culpado de nada, Collor conseguir voltar ao poder depois de sofrer um Impeachment e Lula tirar o corpo fora de todos os problemas políticos existentes, o Brasil continuará sendo uma redoma de descrentes na política e só ira gerar políticos descrentes na sociedade.

E agora você se pergunta: “por que você usou Raulzito para descrever o trajeto da política brasileira? Só por que ele está fazendo vinte anos de morto e todos agora só falam nele? Também ^^, mas principalmente por entender que assim como o “inicio, fim e meio” a política safada do Brasil não terá um fim e por mais que eu não queira, minha opinião sobre política é aquela velha formada sobre tudo.

3 comentários:

Robertynho Leone disse...

No lugar do Coliseu da história de Roma, os circuitos Dodô, Osmar e Batatinha e pronto, estamos revivendo o período do "Pão e Circo". O povo se queixa? Tome obra! Continua se queixando? Tome festa! Lamentavelmente temos o graaaaande Senador stressadinho Collor (ops.. Senador e Presidente da Tesouraria do senado). Ah! Tesouraria não é o local onde se guardam tesouras não ok? É isso mesmo, ele é presidente da tesouraria do Senado! Ueeeebbaaa!!!! Falando em fatos históricos, entrarei num bíblico: "Quem deve ser liberto: Jesus ou Barrabás?" O povo comos sempre seguro e certos nas decisões proclamam: "Barrabás, Barrabás". Alô Bin Laden, tá na escuta? Vou indicar 2 torres pra você brincar, estão localizadas no Brasil, mais precisamente em Brasília. Apareça!

Thiago Mister Magoo disse...

A política é reflexo da educação do povo brasileiro !!!

O maldito "jeitinho brasileiro" é o pior desastre que esse país enfrenta.

Tudo que é socialmente reprovável, mas não dá cadeia, o brasileiro dá um jeito de burlar... "Esperar na fila ? Isso é coisa pra otário! Eu sou esperto", depois de ouvir várias vezes essa frase, cheguei a conclusão de que ser honesto no Brasil é o mesmo que ser otário.

Portanto, não podemos reclamar dos políticos se nem a nossa parte como cidadãos nós fazemos.

Thaysonmont disse...

É por essas e outras que o Brasil vai continuar (e por muito tempo) sendo um país emergente ! Isso se não piorar.
foda é que temos tudo pra Crescer clima, território, água até dinheiro... temos tbm um pulmão, mas falta o Cerebro! O culpado disso é o povoo!