terça-feira, 1 de setembro de 2009

Caso da professora "toda enfiada"

A era É O Tchan, Gang do Samba e Cia gerou filhotes, diferente dos papais, que de sacanagem tinham só suas dançarinas(o suficiente), seus rebentos conseguem extrapolar o limite do ridículo utilizando letras de baixo nível e coreografias que mais parecem um filme pornô ao vivo. A Bahia é a concentração dessas bandas. Símbolos como Carla Perez, Scheila Carvalho mostram que com pouco cérebro e muita bunda se pode viver “bem”, assim viram exemplos para milhões e milhões de mulheres e homens. Aí você me pergunta “homens também?” e eu respondo: Sim (claro ¬¬), mas a materialização da não inteligência vem através de cantores de pagode sem qualquer teoria musical, letras de péssimo gosto e apelo sexual de suas dançarinas ou qualquer mulher que se proponha a subir ao palco e dançar, e nesse ultimo fato que iremos nos fixar (rimei ^^). Este é o caso da professora “toda enfiada” (música de linha direta)

O vídeo de uma professora dançando a música da banda O Troco (que com certeza conseguiu este nome ao colocar os ingressos do show a um centavo e o público pedir o troco) repercutiu por toda internet e meios de comunicação de massa. A professora Jaqueline faz a coreografia da música “todo enfiado” deixando que o vocalista da banda pegue sua calcinha e a atoche em seu ânus (enfiando no c...) quase a deixando nua. O youtube teve em duas de suas listas (Vídeo mais visto e mais adicionado a favoritos) este vídeo, o que fez a televisão se interessar pelo caso e transformá-lo em reportagem. Canais como Band, Globo e Record exibiram matérias sobre o assunto, mas só a Record e sua não catraca de seleção abriu espaço para a professora se pronunciar e tentar explicar o caso, mesmo tendo consciência que sua imagem já estava toda enfiada.

No programa de Geraldo Brasil (nível tão alto quanto da professora) Jaqueline desabafou sobre toda sua mudança de rotina desde que virou “sucesso” da TV. A professora se sente injustiçada por ter sido demitida de sua escola, a qual dava aulas a alunos de 5 a 6 anos de idade. Injustiçada??? Acredito eu que como educadora ela deveria banalizar qualquer ato que denigra a mulher e qualquer comportamento que vulgarize e exponha a imagem feminina, ao menos se ela fosse achar bonito suas alunas dançarem com as calcinhas aparecendo, sendo regidas pelos seus coleguinhas.

Outra reclamação por parte da professora é o fato de estar sendo chamada de coisas que não é (creio que seja algum sinônimo de vagabunda), mas se alguém que sobe a um palco, dança de forma libidinosa com a calcinha para fora e deixa que um homem a conduza de forma mais libidinosa ainda não é uma vagabunda, então o Sarney é inocente.

Além do terrível papel de mediador desempenhado por Geraldo Brasil, seus comentaristas, Leão Lobo e Amin Khader, fizeram questão de manter o nível. O primeiro aconselhou que a professora enfrentasse a escola com um discurso de “eu fiz e daí? O que isso influência meu jeito de lecionar?” e eu te respondo caríssimo fofoqueiro Leão Lobo, influencia no fato do professor ser o exemplo maior para as crianças (depois de seus pais) e exercer função de formador de mentes, quanto mais para crianças que estão suscetíveis a influencia de todos os lados, seja ela na sala de aula ou em um vídeo da internet. Amin foi bem mais ignorante e afirmou que “Salvador tem um povo festivo...baiano vive dançando...por essas e outras eles estarão ao seu lado” colocar a inteligência do baiano de lado e achar que ele irá agir somente pela cultura da bunda é uma ofensa sem tamanho, se você acha bonito essa vulgaridade, nós baianos com algum cérebro no lugar não achamos.

A professora ainda se mostra uma pessoa com péssima instrução, se contradizendo em varias partes da entrevista e mostrando muita dificuldade ao desenvolver frases. O que nos leva a pensar em outro fato. Qual é o nível dos educadores que nossas faculdades estão produzindo??? Mas isso é outra questão a ser aprofundada.

Quem sai ganhando com esse escândalo é a banda O Troco, que conseguiu mídia espontânea em cima de sua música, porém, eles são os únicos que podem comemorar algum lado positivo neste episodio, pois para um país que ri da imoralidade, ter uma professora dançando com a calcinha a mostra é só mais um reforço de onde foram parar nossa moral (no mesmo lugar indicado pela música) e ver um programa com repercussão nacional achar graça e defendê-la utilizando argumentos pífios só nos faz “bater o martelo” de vez em relação aos princípios da televisão brasileira (principalmente a Rede Record). Talvez a Vanusa esteja parcialmente certa em sua nova roupagem ao hino nacional, “és belo” acho que sim, “és forte” não muito, “és risonho” até demais.

Obs: Essa é somente a primeira parte da matéria, as outras partes podem ser selecionadas ao fim do vídeo.

13 comentários:

Alisson Sena disse...

Zirman...Parabéns por mais uma máteria, já estava preocupado e esperando seu email hoje dizendo que atualizou o blog. Tô divulgando por seus comentários são muito bons. abração

Lukinhas (Pinto) disse...

Fizeram um sensacionalismo absurdo com este fato. Esta mídia de merda não tem o que colocar e transforma um ato "privado" em ato "público". E daí que ela dançou? Ela estava fora do ambiente de trabalho, se divertindo da forma que achou conveniente e sob efeito de álcool. Qual o problema? Caso fosse um professor comendo uma mulher nessa festa ninguém diria nada. Cambada de hipócritas, falsos moralistas e machistas. Até parece que na hora de ela lecionar, iria ensinar a teoria das danças de pagode. Poupem-me. Por essas e outras que o Brasil continua sendo o lixo que é.

Tarcisio Silva disse...

Bem que ela podia ser mais bonitinha... ia querer até aula particulares.

Luan Cobain disse...

Eu particulamente não entendi ainda o grande sensacionalismo da midia sobre esse assunto.

Prmeiramente que a Bacharel Jacqueline é maior de idade por tanto pouco importa a profissão dela. O que ela faz fora da instituição onde ela leciona não é cabivel a nignuem.

Tanta hipocrisia, quantos medicos fumam maconha fora de seus consultorios? Atirem a primeira pedra quem é "diferente" fora do seu trabalho.

Se a dança é vulgar ou não, quem somos nós pra julgar? Agora vamos ficar em casa, tendo uma falso moralismo como exemplar etico.

Inves disso vamos cantar a Hipocrisia vivida e televisionada por "Eduardos" da vida, tentando lucrar com qualquer coisa fora do incomum.

Anderson Shon disse...

Eu me do direito de comentar o meu proprio texto e deixar um exemplo aqui que sirva de reflexao:
É etico um jogador do Bahia usar a camisa do Vitoria enquanto estiver fazendo compras com a sua familia???
"Grandes poderes exigem grandes responsabilidades"

Gustavo disse...

ANDERSON SHON PARABÉNS PELO SEU TEXTO,ÓTIMOS COMENTÁRIOS,PENA QUE A GRANDE PARTE DO POVÃO NÃO POSSUI O MÍNIMO DE ÉTICA E MORAL...FALTA SENSO E OS VALORES PASSAM DISTANTE DA REALIDADE...VIROU MODA A PORNOGRAFIA E AS FUTILIDADES NO COTIDIANO DO BRASILIERO ENTÃO QUALQUER DANÇA VULGAR NA ATUALIDADE É NORMAL...PRA MIM NÃO É E PENSO QUE PARA MUITOS CIDADÃOS DE BEM TAMBÉM NÃO SEJA.

GRANDE ABRAÇO E CONTINUE ASSIM

manson_maniaco1991 disse...

Particulamente acho que sim, lembrar que o jogador do Bahia é um pai de familia, que poderia ser tambem um pedreiro e que a vida continua. Por que não trabalhar na Pepsi e só gostar de Coca?

Polly disse...

No país que estamos a vulgaridade tem o seu sucesso.
Luan disse q ninguem tem nada com a vida da "moça", claro q ning tem; mas o fato dela ser uma professora, e de crianças de 5 ou 6 anos é o que mais "espanta" na história.
Por ela ser uma professa deveria ser uma pessoa de exemplos, pois isto é esperado desta profissão.
Vcs deixariam suas filhas e filhos estudarem com esta mulher?
Que respeito ela terá perante os alunos e até mesmo dos pais?
Eu acho certo a demissão dela!
A escola estava pensando no melhor pra sua imagem.

Se esse caso teve tanto ibope, é porque o povo dá; e a mídia explora isso. Não digo baianos, mas os brasileiros na sua grande maioria, julgam esta mulher e ao mesmo tempo engrandecem o ato, por isso ela está até convidada a pousar em uma revista masculina.

Lamentável...

Nessas horas tenho vergonha do povo baiano, e ainda mais, do povo brasileiro!

Polly disse...

E qnto ao comentário do jogador, concordo com Luan.

Ele tem que ser fiel ao time em que ele trabalha, somente dentro de campo.

Fora de campo é outra história, ou vcs acham q jogador não tem time?

Anderson Shon disse...

"Grandes poderes exigem grandes responsabilidades" A diferença de um jogador de futebol para um vendedor de guarana é absurda. Um jogador pode ter seu time, mas não pode divulga-lo, pois sua profissao nao permite e ao a escolher, ele tinha consciencia do fato, assim como uma professora sabe que ao exercer o papel de educadora ela deve sempre prezar por atos congruentes com o bom senso moral.

Luan Cobain disse...

De fato o que estou tentando dizer que a "prózinha" Jaqueline Carvalho de 26 anos esta pagando o preco, tanto bem e para o mal, de uma sociedade hipocrita.

Quem nunca extrapolou numa noite de farra?Quem nunca pagou um mico que atire a primeira pedra.!

Etica? Falta de Etica? Isso deveria ser cobrado de quem usa o dinheiro publico e não de uma prozinha que em sua noite de folga quis se divertir na noite baiana do "jeito baiano de ser".

As grandes imoralidades não são comentida em festas e bailes polares, nas quais os maiores de 18 anos no caso a morena Jack que paga suas contas e impostos se divertem, são feitas por senhores "honrados".

Mas volto a dizer e lembra do grande fardo de Joao Ubaldo Ribeiro: 'Viva o Povo Brasileiro', já não sei se seria Afirmação, Exclamação ou uma interrogação.

E esses tempos de Ironia.

Hannah disse...

Como ela tem coragem de abrir a boca e dizer com " orgulho " q 100% dos homens parabenizaram ela?!E que nos mulheres a invejamos?! Sinceramete as vezes tenho vergonha de ser Baiana...
Deixando claro que nos mulheres, nao a invejamos( pleo menos as que se respeitam )so qremos presevar e respeitar a imagem da mulher que cada dia piora mais e mais...Graças a esse tipo de coisa...
Parabens Pe==pelo texto gostei mtto

marinasqueiroz disse...

menino, que orgulho, vc foi meu aluno aos 6 anos!!!!!!!!!!!